Bondalti anuncia Programa de Transição Climática

A Bondalti apresentou hoje publicamente o seu Programa de Transição Climática, com o qual pretende contribuir para uma economia mais sustentável até 2030.

O anúncio foi feito por João de Mello, presidente do Conselho de Administração da companhia, numa comunicação proferida na conferência “A Química para a Vida”, promovida pela Fundação Amélia de Mello, no âmbito das celebrações dos 150 anos do nascimento de Alfredo da Silva, fundador da CUF.

 

Na sua comunicação “Os Desafios da Transição Climática da Bondalti”, João de Mello explicou que a empresa se mobilizou para a implementação de um plano em dois grandes vetores estratégicos: a descarbonização dos processos próprios e ao longo da cadeia de valor, assim como a procura de produtos de nova geração que permitam um futuro mais sustentável para toda a sociedade.

 

“A Bondalti assumiu o desafio de transformação e quer contribuir para a estratégia de longo prazo definida pela UE, para uma economia com impacto neutro no clima”, sublinhou o presidente do CA da Bondalti.

 

A Bondalti irá maximizar o uso de energia e de matérias-primas mais sustentáveis, assim como potenciar os princípios de circularidade, ao mesmo tempo que desenvolve estratégias para minimizar a intensidade carbónica e energética das operações e logística, pretendendo atingir a neutralidade carbónica em 2030. A eficiência do consumo de água é outro dos pilares do programa hoje anunciado, no quadro do qual a Bondalti irá aumentar a sua taxa de reutilização de água nas operações dos atuais 21% para 30%.

 

A conferência “A Química para a Vida”, promovida pela Fundação Amélia de Mello, o Departamento de Química da Universidade de Aveiro, o Departamento de Engenharia Química da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e a APQuímica, reuniu representantes da indústria a nível europeu e cientistas nacionais de renome, para abordar o papel chave da Química em áreas essenciais para o nosso futuro.

 

Para além de representantes das quatro entidades promotoras e da Bondalti, os palestrantes incluíram representantes da Hovione, CEFIC, Sociedade Portuguesa de Química e Universidade Católica Portuguesa. O encerramento da sessão foi feito por João Pedro Matos Fernandes, Ministro do Ambiente e da Acão Climática.