BONDALTI PRESENTE NO ULTRA TRAIL DU MONT BLANC 2018

Com o apoio da Bondalti, onde trabalha há 23 anos, Fernando Mendes fez-se ao caminho. Literalmente. Um caminho de 171 quilómetros, em plena montanha, realizado em pouco mais de 41 horas de esforço físico e mental intenso. Com esta conquista, tornou-se no terceiro português a concluir o Ultra Trail du Mont Blanc por três vezes. Fiquemos com o seu depoimento.

“Às vezes, numa ultramaratona, há um momento em que deixas tudo para trás. Esqueces os objetivos de tempo ou de classificação, esqueces aquela celebração que tinhas sonhado fazer durante meses, esqueces as paisagens, esqueces onde estás, como ali chegaste, a tua família e os teus amigos. Juntas tudo, enfias dentro de uma grande mala e arrumas a um canto. De repente, toda a nossa vida se resume a um único objetivo.

 

Tudo o que fazes tem de ser com a maior eficácia, sem distrações, com concentração, foco e determinação. Geres as dores, o tempo, o esforço. Tudo tem de funcionar perfeitamente afinado e oleado. Tudo para aquele que se tornou o grande objetivo da tua vida: conquistar o próximo metro.

 

Não vou dizer que o UTMB 2018 era o sonho da minha vida. Na verdade, já tinha finalizado esta prova por duas vezes e nem sequer faço trail assim há tanto tempo! Tudo começou em 2013, na Lousã, e desde então as coisas fugiram um bocado do meu controlo. De repente estava a fazer ‘ultras’, depois provas de três dígitos, depois o MIUT e, de repente, comecei a pensar ‘e se...?’. Fiz as provas qualificativas, inscrevi-me, tive sorte no sorteio e em janeiro deste ano estava lá dentro.

 

Parecia tudo tão simples! A própria qualificação para o UTMB sabia a conquista. Agora tinha oito meses para me preparar, ir lá desfrutar da prova e tirar umas fotos em Chamonix. Confesso que durante estes oito meses raramente pus a hipótese de algo correr mal. Delineei o plano a régua e esquadro e preparei-me bem, tudo afinado ao milímetro, só faltava correr as 100 milhas! Mas, de repente, chegou aquele momento. O momento em que deixei isso tudo para trás.

 

Horas antes desse momento, na Place du Triangle de l'Amitié, em Chamonix, estava de olhos fechados, arrepiado, a ouvir Vangelis no sistema de som enquanto um ambiente absolutamente frenético explodia por toda a vila. Entalado entre 2561 corredores (dos quais 267 mulheres) e, literalmente, milhares de espectadores, limpei umas lágrimas malandras que se formavam e ouvi a contagem decrescente com o pórtico da meta a cerca de 200 metros de mim. Estava na hora, ia começar de novo a maior aventura da minha vida. Felizmente, consegui superá-la mais uma vez, tornando-me no terceiro português a cruzar pela terceira vez o “pórtico dos sonhos”. Foram 171 quilómetros e 10.000 metros de desnível positivo em 41 horas e 36 minutos. A montanha ficou indiferente à minha passagem, e já só penso em abraçá-la de novo!”