VIAGEM PELA Química

Anilina, tão importante quanto invisível

Há uma química que une a sola das sapatilhas que calçamos para correr à espuma do colchão onde dormimos. Surpreendente, dirá a maior parte de nós. Mas e se descobríssemos que há uma matéria-prima comum não só a estas espumas e borrachas, mas também a tintas sintéticas, herbicidas e até fibras altamente resistentes ao calor e choque? Existe e chama-se anilina.

[ SCROLL ]

O que é?

Desde a corrida matinal até ao momento em que nos deitamos, a anilina marca uma presença discreta, possibilitando a existência de mil e um produtos do nosso dia-a-dia de cuja função não prescindimos.

Partilhada por muitos bens indispensáveis, a anilina tem particularidades distintas de qualquer outro produto, que fazem desta matéria-prima um dos químicos mais importantes do nosso quotidiano.

Também conhecida como aminobenzeno ou fenilamina, é uma substância pertencente à família das aminas primárias – composto importante no fabrico de corantes.

A sua fórmula é C6H5NH2 e, no seu estado puro e em condições normais de temperatura e pressão, é um líquido incolor e oleoso. A anilina é obtida por hidrogenação do nitrobenzeno e na presença de um catalisador. É suscetível à oxidação e, embora não tenha cor, escurece quando exposta ao ar, chegando mesmo a ter uma cor amarela ou até quase vermelha, o que antecipa a sua propensão para o fabrico de corantes.

Étimo português

Para traçarmos as origens da anilina temos que recuar até ao século XIX, quando foi isolada pela primeira vez em 1826, por Otto Unverdorben, recorrendo ao processo de destilação destrutiva do corante vegetal índigo. Inicialmente batizada com o nome Crystallin, a síntese da anilina foi passando pelas mãos de vários químicos, até 1843, quando August Wilhelm von Hofmann demonstrou que se tratava da mesma substância, conhecida daí em diante como anilina.

Curiosamente, a etimologia deste nome, atribuído por Carl Fritzsche, um dos múltiplos “descobridores” da anilina, leva-nos até Portugal, de onde a palavra anil provém e que se refere à planta também conhecida como índigo, da família Indigofera suffruticosa.

Os primeiros passos da integração da anilina na indústria química deram-se em 1856, quando William Perkin, aluno de von Hofmann, descobriu a anilina púrpura enquanto tentava sintetizar quinina, abrindo as portas para que outros corantes derivados da anilina fossem descobertos.

Dos jeans aos coletes à prova de bala

A base para a presença da anilina em inúmeros produtos está na transformação em Metileno Difenil DiIsocianato (MDI), que desde os anos 80 tem impulsionado a integração da anilina enquanto substância essencial ao conforto da vida moderna.

É com recurso a este composto que é produzida espuma rígida de poliuretano, utilizada no fabrico de borracha, posteriormente aplicada em solas de sapatos, pneus e volantes de automóveis, na espuma de colchões e no isolamento de edifícios e sistemas de refrigeração.

Na indústria agropecuária, a anilina é utilizada no fabrico de herbicidas e fungicidas, essenciais no controlo de pragas e ervas daninhas. Permite também o fabrico de tintas sintéticas, como o índigo, aplicadas na coloração de calças de ganga, bem como na produção de reagentes fotográficos e estabilizadores para a indústria do latex.

Não menos relevante, é a utilização de anilina no fabrico de fibras de aramida que são produtos leves e altamente resistentes ao calor e ao choque. Estes produtos são os escolhidos pelas corporações de bombeiros e também pelas forças militares e policiais (como por exemplo coletes à prova de bala) para as intervenções mais arriscadas.

Portugal na linha da frente

A Bondalti, maior empresa química portuguesa, é líder de vendas de anilina na Europa e um dos maiores produtores mundiais não-integrados deste composto.

A produção com recurso a uma tecnologia proprietária, de que resulta uma elevada qualidade do produto final, é reconhecida internacionalmente e o mote da exportação para inúmeras geografias.

A empresa fornece a anilina através de condutas, respeitando sempre as mais exigentes normas ambientais e de segurança.

Em Portugal, a fábrica da Bondalti ocupa cerca de 3% da capacidade instalada de anilina a nível mundial.

Os químicos que a Bondalti produz nas unidades industriais têm um vasto campo de aplicação, que se estendem muito para além do fabrico de borrachas e espumas. Sobre a anilina, uma verdade incontestável – trata-se de um bem essencial para o nosso dia-a-dia.

Discover more

Os Mistérios da Água
Água, fonte de vida e de progresso
Eletrólise: dos bancos de escola para um futuro sustentável
A Química do conforto